Já fez download da nossa app? Clique aqui!
Change Language




Lontra

Chamam-na Lontra Europeia ou Lontra Euroasiática – porque a sua distribuição, apesar de mais concentrada na Europa, se desvia até países tão longínquos como a Malásia ou a Indonésia. Mas se a tratassem por Lontra Portuguesa não chocaria: ela existe, efectivamente, em grande parte do território continental, do norte ao sul do país.
 
Os cursos de água gelada que nascem no Gerês, no Minho, e no Montesinho, em Trás-os-Montes, são, como espécie anfíbia, ambiente propício para a Lontra.
 
A sua fisgada pela água (se preciso, aguenta-se mais de cinco minutos submersa) aliada ao facto de ter uma dieta maioritariamente carnívora tornam-na um animal de hábitos especiais.
 
A começar pela sua performance enquanto predadora: com olhos que vêem mais no breu da noite, com olfacto que chega longe (têm um dispositivo ao nível do nariz que detecta vibrações abaixo da linha de água), e com uma audição superior à de muitas outras espécies (incluindo a nossa), a Lontra espera pelo pôr do sol para sacar das suas armas. As presas são sobretudo peixes ou crustáceos, em menor escala outros mamíferos, e eventualmente répteis à falta de melhor.
 
É portanto uma criatura da noite, aproveitando o dia para dormir em esconderijos que o rio proporcione. As suas casas são buracos escavados em turfeiras, muitas delas com acesso pela água. Aproveitam-se também de cavidades feitos por outras espécies de habitat similar.
 
Também invulgar é o seu cariz solitário. Raramente vemos um par de Lontras juntas a menos que estejam em período de reprodução ou que seja ainda uma mãe Lontra a guardar as suas jovens crias. Fora esses particulares momentos da sua vida, fazem o seu quotidiano sozinhas. Os machos, por exemplo, nem se dedicam à sua função paternal, abandonando a família quando a fêmea ainda se encontra em período de gestação.
 
Mostram várias vezes uma vontade para brincar com objectos que encontram, numa forma de entretenimento que é rara, podendo até ser encontradas a fazer coisas que humanos não negariam, como escorregar em encostas de gelo ou neve, elas que se aguentam tranquilamente em altitudes bem acima dos mil metros.


Já fez download da nossa app?

Conheça a região do Alto Minho e do Parque Nacional Peneda-Gerês. Desde locais históricos, como cascatas, lagoas, moinhos...

Google Play App Store
App